logo e-Labore

Laboratório Eletrônico de Oralidade e Escrita

e-Labore

Metodologia

Coleta das redações

Em busca de investigar fenômenos de desvio ortográfico que ocorrem no processo de aquisição da escrita do Português Brasileiro, o projeto e-Labore utiliza redações de crianças com idade entre 6 e 12 anos. Cada uma das crianças que participa do projeto recebe uma folha pautada que é utilizada na produção do texto. Nessa folha as crianças podem escrever e desenhar livremente. O tema de cada produção é definido pelos próprios professores(as). Portanto, os temas acabam sendo bastante diversificados. Essa decisão metodólogica busca garantir que o vocabulário utilizado pelas crianças seja o mais próximo possível do que elas utilizam habitualmente em sala de aula.

Todas as escolas partipantes do e-Labore estão situadas na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Belo Horizonte pode ser dividida em 9 regionais (Barreiro, Centro-sul, Leste, Nordeste, Noroeste, Norte, Oeste, Pampulha, Venda-Nova). As escolas participantes do projeto e-Labore estão uniformemente distribuídas de acordo com as regiões de Belo Horizonte. Sendo assim, em cada região da cidade 4 escolas (2 da rede pública e 2 da rede particular) participam do projeto.

O e-labore coleta redações de alunos das redes pública e particular. Um dos objetivos do projeto é apontar diferenças no processo de aquisição da linguagem entre os alunos desses dois tipos de escolas. No entanto, é importante ressaltar que o projeto não divulga dados específicos a respeito de nenhum aluno, professor ou escola. Sendo assim, cada escola participante do projeto recebe uma carta da coordenação do projeto que se compromete a resguardar o anonimato de alunos e professores que participem do projeto.

Os colaboradores do projeto são responsáveis por apresentar o projeto à escola participante. Ao apresentar o projeto à escola, os colaboradores apresentam uma carta da coordenação convidando a escola a participar do projeto. Caso a escola concorde em participar, o(a) diretor(a) da mesma assina um termo de participação e a escola recebe uma nova visita do colaborador. Na segunda visita o colaborador se encontra diretamente com os(as) professores(as) de português das turmas que participarão da coleta de redações.

Durante esse encontro os(as) professores(as) recebem uma folha contendo 8 instruções. As instruções procuram, principalmente, orientar o professor para que ele dê liberdade aos alunos durante a atividade de produção do texto. O professor também é instruído a não ajudar os alunos mesmo que solicitado. Além da folha de instrução, os(as) professores(as) recebem um questionário. O questionário contém perguntas sobre a experiência do(a) professor(a) e as dificuldades encontradas no ensino da língua portuguesa.